31 de mar de 2017

Resposta Desafio - Janeiro



Parece que alguém demorou um pouco mais do que deveria para responder à esse desafio né? rs. Mas enfim, aqui estou.
Fui desafiada a ler "A garota no trem" e confesso que demorei bastante para me sentir envolvida com a história.
Rachel é a principal narradora , uma mulher bem problemática que bebe muito, por isso há vários relatos de seus momentos de bebedeiras e ressacas . Em alguns momentos tive pena dela e em tantos outros vontade de dar uns tapas.
A vida de Rachel está estagnada, ela está desempregada e completamente viciada em álcool, vive pensando em como foi feliz no passado (antes de ser traída) e... já disse que ela bebe bastante?
Tentando despistar sua companheira de apartamento ela vai de trem para Londres, bebe mais um pouco e fica pensando no ex marido e sua respectiva família ( inclusive, suas crises interferem muito na vida do casal e de sua filhinha). Enquanto está no trem ela acompanha a vida de um casal que  mora numa das casas no caminho, ela cria vidas para as pessoas e até fica mal quando não os vê ( um pouco maluca, stalker, psicopata né?).
Megan é a mulher que Rachel resolveu stalkear e embora seja uma mulher alegre e cheia de vida, sua vida com Scott não é perfeita como Rachel imagina.Certo dia, Rachel vê Megan, a jovem de seu casal dos sonhos, na companhia de outro homem e fica desapontada por ver ruir a sua fantasia de relacionamento perfeito. No dia seguinte, Rachel descobre, pelos jornais, que Megan está desaparecida e que seu marido, Scott, é o principal suspeito do sumiço da esposa. Rachel então passa a se envolver com pessoas q ela mau conhece. Isso, segundo ela, para ajudar.

"De vazio eu entendo. Começo a achar que não há nada a se fazer para preenchê-lo. Foi o que percebi com as sessões de terapia: os buracos na sua vida são permanentes. É preciso crescer ao redor deles, como raízes de árvore ao redor do concreto; você se molda a partir das lacunas",


'